sábado, 2 de agosto de 2014

Um pouco de arte com Toque d' Açúcar

Hoje fomos conhecer a Raquel Ribeiro e Silva. Já é um nome conhecido do cake design português e tem, sem dúvida, um toque muito especial: um Toque de Açúcar!
 

Venham connosco conhecer esta magnífica artista: 

Quem é a Raquel?
A Raquel é uma jovem madeirense que veio muito cedo para o continente estudar arquitectura e que não desiste facilmente perante desafios e adversidades, seja na vida pessoal ou profissional, fortemente inculcada pelo seu lado criativo e artístico.



Como chegou ao mundo dos bolos?
Cheguei por acaso e fiquei por paixão quase imediata. Pediram-me um balúrdio por um bolo para um familiar e achei que era tão básico que conseguiria fazer. Daí a apanhar o "bichinho" não foi difícil e entretanto resolvi levar o cake design mais a sério e é a minha principal actividade laboral de momento, seguida logo da decoração e organização de casamentos e festas, ficando a arquitectura e remodelações para segundo plano.

Usa outro nome no mercado?
Em 2012 criei o Toque d' Açúcar, onde já tenho mais de 10 mil seguidores mas nunca deixei de ser a Raquel. O Toque d´Açúcar é um projecto importante na minha vida mas não o único, por isso não posso deixar de ser a Raquel.

Como escolheu esse nome?
Porque dou sempre o meu TOQUE em tudo o que faço, neste caso é o meu toque com açúcar, logo foi quase imediato a escolha do nome e agora vejo que é adequado, pois acabo por ter muitos comentários do género, “este bolo tem mesmo o seu toque”.

Qual o pedido mais estranho que já vos fizeram?
Um bolo para o aniversário de um cavalo. Na conversa telefónica com a cliente só muito adiante percebi que era para um cavalo. Foi muito engraçado e tornou-se um dos meus trabalhos mais caricatos.

O que mais gosta de fazer nesta área? 
Criar bolos diferentes do habitual. Primar pela originalidade em tudo o que faço. Dai recusar imensas encomendas quando me pedem cópias do trabalho de outros colegas, até por uma questão de respeito pelos seus trabalhos.

Qual as maiores dificuldades que sentiu ao longo dos tempos?
Aprendi tudo sozinha, a gastar imenso material para experimentar e após muitas tentativas e erro ao longo do tempo, lá descobri as propriedades dos materiais e foi aplicar os meus conhecimentos de pintura, escultura e até de arquitectura para o cake design. E esta transposição de técnicas do mundo das artes para o cake design, que acabou por me diferenciar neste meio, criou também algumas amarguras e reticências por parte de algumas pessoas, e nunca senti apoio por parte de algumas entidades que dizem divulgar o cake design português e toda a arte relacionada com bolos. Por isso é com muita sinceridade que apoio o vosso protejo e agradeço o reconhecimento do meu trabalho.

Quais as maiores alegrias? 
As pessoas gostarem dos meus trabalhos. As pessoas chegam a mim com ideias e sonhos de bolos e conseguir agradá-las é óptimo. A maior alegria só pode ser o prazer do dever cumprido.

Se tivesse que escolher um bolo ou um tema especial dos que já fez, qual destacaria? E qual a história por detrás desse trabalho?Neste momento, sem dúvida, “Mil e uma noites”. É um bolo que causa algum impacto e que até à data é o meu trabalho preferido. Foi feito para o concurso da revista Faça Fácil Cake Design, na Feira Internacional do Artesanato 2014,, sob o tema Influências árabes em Portugal, e que acabou por ganhar o 1º lugar na categoria de profissionais; e que espero, dentro em breve, dar formação do mesmo, pois é também este lado da partilha e ensinamento que me motiva e leva a desejar cada vez formas mais arrojadas e criativas. Mas além deste, há muitos que adoro pois tudo o que seja bolo esculpido e pintado, agrada-me sempre.



Tem um instrumento preferido?
Os pincéis. Sempre gostei muito de pintar e também transporto isso para o cake design.

Na sua cozinha ou atelier, nunca falta...
Pasta de açúcar e corante preto mate em pó. Gasto sempre!

O que diferencia a Raquel no mercado e por que gostaria de ficar conhecida no mercado?
Talvez o conceito e o estilo dos bolos; o incorporar do lado mais conceptual da arte. Na parte técnica, eventualmente o uso de mais cores com que se estava habituado, tons mais escuros, e o uso de sombreados e patines com corantes. É difícil definir-me, pois não me tento destacar para me diferenciar doutros colegas só porque sim; tento sim ter um estilo próprio e ser reconhecida por isso, pelo meu “toque”.

Que bolo gostaria de fazer que ainda não fez?
Ideias não me faltam, vou sempre fazendo aquilo que vou sonhando e gosto. Para já, é esse o meu sonho…

Dito isto, desfrute aqui de alguns trabalhos desta fantástica artista!












Sem dúvida obras de arte com um toque especial. 
Se quiser contactar a Raquel e a Toque de Açúcar, veja na nossa lista de Artistas!
Divirtam-se!

Happy Baking!

Sem comentários:

Enviar um comentário