quarta-feira, 20 de agosto de 2014

O ingrediente mágico? Doces com Carinho!

Fomos até Braga... Convidamo-vos a visitar a Doces com Carinho e conhecer o ingrediente mágico desta doceira de mão cheia!

Quem está por trás da Doces com Carinho?
O meu nome é Maria Luísa, sou psicóloga de formação, mãe e avó por vocação. Por trás de Doces com Carinho está a vontade de partilhar conhecimentos. Eu sempre digo que não ensino nada, só partilho o que sei.





Como chegou até ao mundo dos bolos e o que pretende com a Doces com Carinho?
Sou a mais velha de 7 irmãos, em casa dos meus pais sempre houve o bolinho para a sobremesa do jantar. Depois de casar, continuei com esta "tradição", e sobretudo na organização das festas de aniversário dos meninos. A vida evoluiu, os meninos não são mais meninos, mas deram-me outros meninos e o bolinho principal sempre ficou por minha conta.
Um dia, houve uma formação que me despertou interesse: fiz 30 horas de cozinha em Gaia, com o chef Luís Francisco. A família adorou... seguiram-se mais 30 horas de pastelaria com o mesmo chef, depois a doçaria natalícia em 14 horas e desde essa altura não mais parei: Wilton, PME, formações isoladas. Tive bons mestres! E com outros aprendi o que não se deve fazer...
Até que um dia resolvi partilhar o que aprendi e comecei a dar formação nesta área.

Porquê o nome Doces com Carinho?
Depois as "exigências" da família aumentaram, além das festas de aniversário, houve baptizados, comunhões e o brilhinho nos olhos deles quando mostravam aos amigos "foi a minha avó que fez, tem o meu nome". Sempre com muito carinho para eles e deles para mim. Cheguei à conclusão que Carinho (assim com maiúscula) é o ingrediente secreto que não pode faltar para as coisas darem certo.

Qual o pedido mais estranho que já fizeram à Doces com Carinho e qual a história por trás desse pedido?
Até agora, não tive nenhum pedido estranho, felizmente. Mas já tive alguns em que a única exigência era que eu deixasse os convidados de boca aberta. Confesso que estes pedidos estimulam a minha criatividade! Portanto, não são pedidos estranhos, são agradáveis.

O que mais gosta de fazer nesta área?
Bombons, indiscutivelmente bombons. E a doçaria conventual, pois sou muito gulosa e acho a nossa doçaria a melhor do mundo!

Quais as maiores dificuldades que sentiu ao longo dos tempos?
A princípio não ter com quem trocar ideias.

Quais as maiores alegrias?
Receber uma formanda que não acredita que será capaz e ela sair daqui como seu bolinho enfeitado e pensar "fui eu que fiz"!

Se tivesse que escolher um bolo ou um tema especial dos que já fez, qual destacaria? E qual a história por detrás desse trabalho?
Foi um bolo para um casamento dum amigo querido. Depois de dois dias a enfeitar esse bolo, percebi que para mim, cada bolo é um acto de amor. E a felicidade da mãe dele ao ver o bolo tocou fundo no meu coração 

Tem um instrumento preferido?
As minhas Kenwood, não vivo sem elas.

Na sua cozinha ou atelier, nunca falta...
Montes de rapadores em silicone. De todas as cores e feitios, devo ter cerca de 15, uso-os para tudo: misturar, mexer, rapar, alisar, limpar. Quando vou a uma loja com a minha neta mais velha (17 anos) ela já me avisa para onde não devo olhar...

O que diferencia a Doces com Carinho no mercado?
O carinho com que atendo as minhas formandas. O tempo que disponibilizo para as formações, pois interessa-me que aprendam. Sempre faço um miminho para elas, para o café e o lanche e continuo a dar assistência nas dificuldades. O mail está sempre aberto e disponível. E como algumas formações isoladas que fiz foram realmente más (a despachar, falta de atenção a quem tem dificuldades), não quero que isso aconteça comigo. Este cuidado que tenho com as formações e as dúvidas que foram surgindo, levou-me a editar um livrinho com as minhas receitas favoritas, que já tem a 2ªedição quase no fim. Este livrinho eu ofereço na 1ª formação e sei que há pessoas que o consideram a sua bíblia de doçaria.

Por não estar em Lisboa, sente diferenças? Quais?
Bem o mercado de Lisboa é vasto, há mais gente, mas aqui sinto-me com elas (e eles, pois já tive homens!) como se estivesse em família. E é muito boa a interacção que depois mantemos.

Como reage o público de Braga ao Cake Design?
Reage bem, com interesse e curiosidade. Posso dizer que tenho pessoas que fizeram formação comigo e hoje já dão também formação.
Um dia, dei uma formação de bombons e veio um senhor que disse ter uma pastelaria numa cidade aqui próxima e que vinha aprender coisas diferentes, pois quando se entra nas pastelarias é tudo igual o que se vê, segundo palavras dele, e queria marcar a diferença.

Depois de um livro, já com 2 edições, de várias formações, tem algum novo projecto?
O meu próximo projecto é um curso de doçaria básica, com 72 horas. E pretendo mostrar que não é preciso fazer grandes monumentos nos bolos, a simplicidade é uma arte!

Obrigada Maria Luísa pela disponibilidade e carinho com que nos recebeu.

Aqui ficam alguns trabalhos da Doces com Carinho.











Happy Baking!

Sem comentários:

Enviar um comentário